Nossos Especialistas


O que é Plástica Ocular?


A Plástica Ocular ou Oculoplástica é uma subespecialidade da Oftalmologia que trata de problemas relacionados às pálpebras, supercílios, vias lacrimais e órbitas.


O cirurgião oculoplástico é um médico oftalmologista capacitado para o tratamento reconstrutivo e estético destas áreas.

Blefaroplastia superior e inferior com laser de CO2


A região dos olhos passa por alterações marcantes durante o processo de envelhecimento: flacidez da pele das pálpebras, queda das sobrancelhas, protrusão das bolsas de gordura, aprofundamento das olheiras.


Estas alterações tornam o olhar cansado e a aparência da face mais envelhecida. A expressão e a mensagem que o olhar transmite passam a não condizer com o real estado de humor do paciente podendo gerar constrangimento e desconforto. O excesso de pele mais acentuado pode prejudicar a visão periférica, principalmente a região superior e lateral do campo de visão. Nestes casos a blefaroplastia pode ser um tratamento indicado.


A Blefaroplastia é uma cirurgia realizada nas pálpebras para remoção do excesso de pele e gordura com a finalidade de melhorar o campo de visão periférico e promover o rejuvenescimento do olhar. Ë realizada no centro cirúrgico sob anestesia local e sedação.


A avaliação com o especialista é importante para detectar a presença de outras alterações nas pálpebras que possam estar presentes como, por exemplo, a ptose (queda da pálpebra). O tratamento cirúrgico combinado deve ser realizado neste caso para se obter um bom resultado. É importante também avaliar a saúde ocular e descartar a presença de doenças que possam contra indicar a cirurgia, como é o caso de um olho seco grave.


Qual a diferença entre a blefaroplastia com laser de CO2 e a tradicional?

O laser de CO2 tem afinidade pela água e promove uma vaporização dos tecidos quando aplicado. Na blefaroplastia o laser de CO2 é usado para cortar a pele, músculo e remover as bolsas de gordura. Ele promove uma coagulação efetiva ao cortar e por isso minimiza o sangramento , reduz a quantidade de hematomas e inchaço, proporcionando uma recuperação mais rápida.


O laser de CO2 também pode ser aplicado em modo fracionado na região das pálpebras e face, técnica conhecida como resurfacing, com o objetivo de promover a melhora da flacidez e rugas. O resurfacing pode ser um tratamento combinado à blefaroplastia.

Correção de Ptose Palpebral


Ptose palpebral é a queda da pálpebra superior, que pode ser uni ou bilateral. O grau de ptose pode variar de leve a severo, quando chega a obstruir a pupila com consequente comprometimento do campo de visão. Ela também causa um desconforto estético devido à assimetria (nos casos unilaterais), aspecto de olhar cansado e sonolento. Em muitos casos o paciente involuntariamente passa a fazer mais força com a testa para ajudar na abertura dos olhos. Isso leva à formação de rugas horizontais nessa região e a um posicionamento mais alto das sobrancelhas com alteração da expressão facial. Alguns pacientes apresentam posicionamento de cabeça, com elevação do queixo para conseguir ampliar o campo de visão.


A ptose pode acometer crianças e adultos.

A técnica utilizada depende de diversos fatores como como causa, idade, altura da pálpebra, força do músculo levantador da pálpebra, entre outros. A anamnese e exame físico detalhados com um especialista são fundamentais para a escolha da técnica mais adequada. De forma geral a intervenção visa a levantar a pálpebra permitindo que o posicionamento da mesma não interfira com a capacidade de visão e simultaneamente melhore a aparência estética.


A cirurgia para correção de ptose é realizada em centro cirúrgico sob anestesia geral nas crianças e sob anestesia local e sedação nos adultos.


É importante destacar a diferença entre correção de ptose palpebral e blefaroplastia.


A correção de ptose palpebral visa ao levantamento da pálpebra enquanto a blefaroplastia visa à remoção do excesso de pele. Estruturas anatômicas diferentes da pálpebra são abordadas em cada um destes procedimentos. Essas cirurgias podem ser realizadas em conjunto quando houver indicação.

Obstrução de vias lacrimais - Lacrimejamento


A principal função da lágrima é lubrificar e proteger os olhos e por isso é continuamente produzida e distribuída na superfície ocular, sendo drenada para o nariz por um sistema de canalículos chamados vias lacrimais. O nariz possui um a comunicação com a garganta e no final acabamos engolindo a lágrima. É por isso que às vezes sentimos o gosto do colírio após aplicar nos olhos.


A obstrução das vias lacrimais causa lacrimejamento e/ou secreção, dependendo do local onde se encontra a obstrução. Os fatores que podem obstruir as vias lacrimais ainda não são totalmente conhecidos, mas o fenômeno ocorre mais comumente com o envelhecimento e em mulheres. Pode ocorrer também após fraturas faciais, após tratamento com radioiodoterapia em pacientes com câncer de tireóide, após infecção ocular por herpes.


Ë importante ressaltar que a obstrução de vias lacrimais é uma das possíveis causa de lacrimejamento. O paciente que apresenta esta queixa deve passar por uma avaliação oftalmológica completa para identificar outras possíveis causas como: blefarite, ceratite, conjuntivite alérgica, frouxidão da pálpebra inferior etc.


A obstrução congênita das vias lacrimais acomete recém-nascidos e causa lacrimejamento e secreção ocular importante. Pode haver abertura espontânea do canal lacrimal usualmente dentro do primeiro ano de vida. Após esse período, caso persistam os sintomas, pode ser indicado um procedimento de sondagem das vias lacrimais .


O tratamento das obstruções das vias lacrimais nos adultos vai depender de sua localização. A avaliação completa e exames complementares são necessários para o diagnóstico correto e indicação do melhor tratamento.


O tratamento cirúrgico mais frequentemente indicado é a dacriocistorrinostomia. Esta cirurgia consiste em criar uma nova comunicação entre a via lacrimal e o nariz para promover uma drenagem efetiva da lágrima. A dacriocistorrinostomia pode ser externa, com uma pequena cicatriz próximo ao canto medial do olho ou via endonasal, ou seja, pelo nariz com a utilização de endoscópio . A escolha da opção cirúrgica deve ser discutida junto ao oftalmologista especialista em vias lacrimais.


Toxina Botulínica


A toxina botulínica é produzida pela bactéria Clostridium botulinum. Atualmente a aplicação de toxina botulínica é o procedimento estético mais realizado no mundo mas é interessante saber que inicialmente ela foi utilizada para o tratamento de estrabismo pelo oftalmologista Alan B. Scott, em 1977. Mais tarde, em 1987, a oftalmologista Jean Carruthers e seu marido dermatologista Alastair Carruthers observaram a melhora das rugas nos pacientes submetidos a aplicação de toxina botulínica para o tratamento de uma doença chamada blefaroespasmo, em que o paciente apresenta um descontrole no movimento do piscar, comprometendo suas atividades diárias. E foi a partir daí que a toxina botulínica se popularizou no mundo como um excelente tratamento para as rugas de expressão.


A aplicação de toxina botulínica em músculos da face promove um relaxamento seletivo com atenuação das rugas que se formam durante os movimentos da mímica como os pés de galinha, ruga da braveza (glabelar), rugas da testa (frontais). Ë um procedimento realizado em consultório. Após aplicação de pomada anestésica são realizadas pequenas injeções nas áreas a serem tratadas.


O paciente pode retomar suas atividades no mesmo dia com algumas restrições: não se deitar e não massagear o local durante 4 horas; não praticar atividades físicas durante 24 horas após a aplicação.


O início do efeito se dá em 24 a 48 horas após o procedimento e o efeito completo é observado depois de 7 a 15 dias. Ë um tratamento com efeito temporário, a duração varia de 3 a 6 meses. O efeito decresce gradualmente e após um intervalo mínimo de 3 meses é possível realizar uma nova aplicação. Uma dúvida recorrente dos pacientes é se pode ocorrer piora das rugas se não reaplicar a toxina botulínica. A resposta é não, simplesmente o paciente não irá mais desfrutar dos benefícios do tratamento e as rugas da expressão voltarão a aparecer como antes. O processo de envelhecimento continuará a ocorrer no seu curso natural.


A toxina botulínica é um excelente tratamento que pode ser combinado à cirurgia para potencializar resultados estéticos.


Distonias Faciais


Distonia é o termo para descrever uma doença em que espasmos (contrações) musculares involuntários e recorrentes ocorrem levando a modificação da postura de um segmento do corpo.


As distonias faciais mais freqüentes são o blefaroespasmo essencial e o espasmo hemifacial.


Blefaroespasmo é a contração involuntária do músculo orbicular dos olhos bilateral que causa um piscar forçado, intermitente ou sustentado. No início do quadro o paciente geralmente apresenta sensação de irritação ocular que ocasiona um aumento da frequência do piscar cuja intensidade aumenta gradualmente até perder o controle. Os espasmos levam a um desconforto social, emocional e prejuízo de visão (cegueira funcional) sendo necessária, em alguns casos, ajuda para a realização das atividades habituais.


Pode acometer outros músculos como a região da boca pescoço.


O Espasmo Hemifacial é também uma doença caracterizada pela contração involuntária e intermitente dos músculos da face mas neste caso é unilateral. Está presente mesmo durante o sono, diferente do blefaroespasmo.


É importante a avaliação de um especialista para descartar outras doenças como tumores intracranianos, que podem levar a um quadro parecido.


O tratamento mais indicado para o blefaroespasmo e espasmo hemifacial é a aplicação periódica de toxina botulínica.


É um procedimento realizado em consultório. Após aplicação de pomada anestésica são realizadas pequenas injeções nas áreas a serem tratadas.


O paciente pode retomar suas atividades no mesmo dia com algumas restrições: não se deitar e não massagear o local durante 4 horas; não praticar atividades físicas durante 24 horas após a aplicação.


O início do efeito se dá em 24 a 48 horas após o procedimento e o efeito completo é observado depois de 7 a 15 dias. Ë um tratamento com efeito temporário, a duração varia de 3 a 4 meses, geralmente é menor do que quando utilizamos a toxina botulínica para tratamento estético. O efeito decresce gradualmente e após um intervalo mínimo de 3 meses é possível realizar uma nova aplicação.

Preenchimento com Ácido Hialurônico


O Ácido Hialurônico é uma substância natural já presente na camada cutânea, no gel vítreo que preenche o globo ocular, nas articulações.


O preenchimento facial com ácido hialurônico é um tratamento estético que visa a repor o volume em uma determinada parte do rosto para melhora do contorno como, por exemplo, a região da maçã do rosto ou atenuar rugas mais profundas (sulcos) como o bigode chinês e linhas de marionete. A técnica que utilizamos é a MD Codes, desenvolvida pelo cirurgião plástico brasileiro Mauricio de Maio. Nesta técnica planejamos o tratamento da face em etapas que passam pela reestruturação, melhora do contorno e refinamento.



A aplicação injetável do ácido hialurônico na região a ser tratada é feita com uma agulha ou cânula após aplicação de pomada anestésica. O preenchedor também contém lidocaína, que promove anestesia.


O efeito dura em média 12 meses.


É um tratamento que pode ser associado a outros tratamentos estéticos como cirurgias e aplicação de toxina botulínica para otimizar resultados pois desta maneira conseguimos melhorar diferentes aspectos do envelhecimento da face.

Blefaroplastia em Orientais


Os pacientes asiáticos apresentam algumas peculiaridades na anatomia das pálpebras que merecem atenção especial quando são submetidas a tratamento cirúrgico.


A pele costuma ser mais espessa, há presença de mais bolsas de gordura, a fenda palpebral é menor, o sulco palpebral (dobrinha) pode ou não estar presente e apresenta altura menor que o dos ocidentais. Estas diferenças devem ser consideradas no planejamento cirúrgico.


Alguns pacientes orientais buscam a cirurgia de pálpebras para a confecção da dupla prega palpebral (dobrinha) com o objetivo de tornar o olhar mais expressivo e atraente. É uma cirurgia bastante popular nos países asiáticos como Coréia do Sul, China e Japão. A avaliação com uma equipe especializada é muito importante para definir qual a melhor técnica a ser escolhida, se será necessária a ressecção de pele e/ou gordura, definir tipo de contorno e altura.


O respeito e entendimento destas diferenças são fundamentais para se obter resultados naturais e belos.